Menu Principal

Portais

Meses Anteriores

Anos Anteriores

Posts Tagged ‘vagas’

CEFET/RJ lança Edital de vagas dos cursos de graduação para o 2º semestre de 2010.

Publicada em 9 de junho de 2010

Os candidatos interessados em concorrer às vagas disponibilizadas no Edital deverão fazer a sua inscrição no SISU (Sistema de Seleção Unificado).

As vagas dos cursos de graduação ofertadas por meio do SISU serão preenchidas exclusivamente com base nos resultados obtidos pelos candidatos no Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM referente ao ano de 2009.

Leia o EDITAL.


Concursos preencherão 8,9 mil vagas na educação profissional

Publicada em 5 de janeiro de 2010

O Ministério do Planejamento autorizou a abertura de concurso público para a contratação de 8,9 mil profissionais de educação, sendo 5 mil professores e 3,9 mil técnico-administrativos, para a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Em 2010, todos os institutos federais de educação, ciência e tecnologia promoverão concursos públicos.

As vagas autorizadas serão distribuídas entre as instituições federais de educação profissional em todo país, e os salários variam de R$ 1,5 até 6,5 mil. Os editais serão lançados este mês. A autorização foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União do dia 31 de dezembro de 2009.

A demanda por novos professores e técnico-administrativos veio com a expansão da rede federal, iniciativa que entregou 102 novas escolas em 2009. Para os docentes, são 5 mil vagas e salários com piso de R$ 2,8 mil para profissionais com graduação e teto de 6,5 mil para doutores com dedicação exclusiva. Já para técnicos, são 3,9 mil vagas e remuneração média de 1,5 mil.

A contratação de servidores indica o aumento dos investimentos em educação profissional. “Com esses 8,9 mil novos profissionais, injetaremos R$ 300 milhões anuais no setor” destacou Alexandre Vidor, coordenador-geral de orçamento e gestão da rede federal. Outras 8,8 mil vagas para concursos públicos da rede devem ser autorizadas até o fim do ano. Os cargos foram criados pelo Congresso Nacional para garantir a expansão da rede. A política permitiu outras 11,2 mil contratações desde 2006.

Crescimento – O número de professores e técnico-administrativos não foi o único a aumentar com a política de expansão. Antes da iniciativa, o país contava com 140 escolas federais de educação profissional. Hoje, são 236 escolas em funcionamento, e esse total deve chegar a 380 até o fim deste ano. No mesmo período, o total de alunos subirá dos atuais 215 mil para 500 mil.

Fonte: Portal MEC


Cursos de licenciatura terão 80 mil novas vagas em 90 universidades

Publicada em 16 de outubro de 2009

O ministro da Educação, Fernando Haddad, anunciou nesta quinta-feira, 15, a abertura de 80 mil vagas em cursos de licenciatura para professores que trabalham nas redes públicas estaduais e municipais. Os docentes têm prazo até 30 de novembro para escolher o curso, a universidade e fazer a pré-inscrição. Todo o processo deve ser feito pela internet, dentro da Plataforma Freire.

Os docentes vão fazer a formação em instituições públicas federais ou estaduais de educação superior. “São vagas dedicadas aos professores em serviço”, disse Haddad. Todos os cursos serão gratuitos para os professores. O pagamento das universidades será feito com recursos do orçamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que é uma autarquia federal.

O ministro também explicou que o Plano Nacional de Formação de Professores é uma ação desenvolvida numa parceria entre o MEC, as secretarias estaduais e municipais de educação e uma rede de universidades públicas. Hoje, 20 estados (AL, AM, AP, BA, CE, GO, MA, MS, MT, PA, PB, PE, PI, PR, RJ, RN, RR, SC, SE, TO) aderiram ao plano, e secretarias de educação de mais quatro anunciaram ao ministério que pretendem aderir: Rondônia, Espírito Santo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Noventa universidades estão preparadas para atender os docentes.

A qualificação do magistério, que se concretiza com o Plano Nacional de Formação criado em maio deste ano, e o piso nacional de salário, aprovado pelo Congresso, são ações, segundo Haddad, que valorizam a carreira do professor e permitem avançar na busca da qualidade da educação básica.

Na universidade – Até dezembro deste ano, 49,8 mil professores já estarão na universidade. De acordo com o ministro da Educação, das 58 mil vagas oferecidas na primeira etapa do Plano Nacional de Formação de Professores, no mês de julho, aproximadamente 50 mil foram ocupadas. Agora o ministério abre mais 80 mil vagas em licenciaturas e dá prazo de 45 dias para os professores se inscreverem. “Se mantivermos esse passo, em quatro semestres teremos oferecido alguma coisa em torno de 330 mil vagas, que é a demanda potencial do programa de formação”, explicou.

Haddad prevê que até o primeiro semestre de 2011, todos os professores sem licenciatura ou com licenciatura diferente da área em que atuam terão acesso à universidade. O investimento na formação é estimado em R$ 1,9 bilhão, de 2009 a 2011.

Confira a coletiva:

Fonte: Portal MEC


Índice Geral de Curso: Instituições com nota baixa não poderão abrir cursos e vagas

Publicada em 3 de setembro de 2009

Instituições de educação superior com nota inferior a 3 no Índice Geral de Cursos da Instituição (IGC) não poderão se expandir. Isso significa que não poderão construir novos campi, abrir cursos nem aumentar o número de vagas de ingresso. Além disso, os cursos já autorizados poderão sofrer redução no número de vagas ou até mesmo ter processos seletivos suspensos, após a visita de especialistas às universidades. Os IGC de todas as universidades, centros universitários e faculdades do país, referentes a 2008, foram divulgados na segunda-feira, 31.

“Até a criação de um novo modelo de regulação da educação superior, o Ministério da Educação não tinha como impedir o crescimento de instituições de má qualidade”, disse o ministro da Educação, Fernando Haddad, em audiência pública na Câmara dos Deputados nesta terça-feira, 1.

Divulgado anualmente, o IGC é um indicador de qualidade construído com base numa média ponderada das notas dos cursos de graduação e pós-graduação de cada instituição. O resultado final é expresso em valores contínuos (que vão de 0 a 500) e em faixas (de 1 a 5).

O IGC 2008 revela os indicadores de qualidade de 2 mil instituições. Boa parte delas – 884 – obteve nota 3, numa escala de 1 a 5.  Entre as 206 instituições públicas, 151 tiveram notas iguais ou superiores a 3. Notas 1 e 2 são consideradas insatisfatórias.

Nove instituições de ensino superior tiveram IGC inferiores a 3 nas aferições de 2007 e 2008. As instituições com notas abaixo de 3 têm prazo para recorrer desse resultado. Mantida a nota baixa, a instituição deve resolver os problemas indicados, mediante termo de saneamento firmado com a Secretaria de Educação Superior (Sesu). Se não cumprir as medidas de saneamento, a instituição pode, nos casos mais graves, ser descredenciada.

Fonte: Portal MEC


Processo seletivo para a educação profissional técnica de nível médio nas Unidades de Ensino do CEFET/RJ: EDITAL para vagas de 2010

Publicada em 18 de agosto de 2009

Divulgado o edital para o processo seletivo para a educação profissional técnica de nível médio nas Unidades de Ensino do CEFET/RJ.

Acesse a página do concurso para ver o edital


Edital de vagas para UnED Petrópolis: Nova convocação para matrícula

Publicada em 30 de julho de 2009

Os seguintes alunos estão convocados a efetuar a  matrícula no curso superior de tecnologia de Gestão em Turismo.

Debora dos Santos Soares
Sueli das Graças Ferreira Sanseverino
Jessica Machado Campos


Ministro interino destaca oferta de vagas em universidades

Publicada em 17 de julho de 2009

O ministro da Educação interino, Henrique Paim, afirmou nesta quinta-feira, dia 16, que o número de vagas oferecidas em universidades federais deve ultrapassar 350 mil até 2011. Ele participou da reunião do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, com estudantes beneficiários do Programa Universidade para Todos (ProUni), no congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), em Brasília.

Em 2003, foram abertas 114 mil vagas nas universidades federais de todo o país. Hoje, as 55 instituições já oferecem 227 mil. A ampliação da oferta é uma das conquistas do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni).

“Sem perder a qualidade do ensino oferecido e sem macular a autonomia universitária, estamos incentivando as universidades federais a ampliar a oferta de cursos noturnos, a implementar inovações pedagógicas, como o bacharelado interdisciplinar, a modernizar e reequipar os laboratórios e instalações”, destacou Paim.

Em seu discurso aos estudantes, ele mencionou outras ações voltadas para a inserção de alunos na educação superior, como o ProUni, que já beneficiou mais de 500 mil alunos, e o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), que conta hoje com mais de 473 mil contratos ativos.

Paim lembrou ainda das 330 mil vagas presenciais e a distância que estão à disposição dos interessados por meio do Plano Nacional de Formação de Professores da Rede Pública, para profissionais sem formação acadêmica ou que atuem em áreas diferentes daquela de sua formação.

Enem — O ministro interino lembrou que nesta sexta-feira, dia 17, encerram-se as inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Mais de quatro milhões de estudantes devem prestar o exame. Muitos para concorrer a vagas em pelo menos 25 universidades federais e 19 institutos federais de educação, ciência e tecnologia.

Segundo Paim, o fim do vestibular é reivindicação histórica da UNE. “É o fim da decoreba, da maratona de provas. O exame, agora mais humano, permitirá avaliar o conhecimento e a capacidade de raciocínio dos estudantes e vai equiparar as chances de todos no acesso ao ensino superior.”

Fonte: Portal Mec


Institutos federais vão oferecer 135 mil vagas em licenciaturas

Publicada em 3 de junho de 2009

Mais 135 mil vagas em cursos de licenciatura serão oferecidas pelos institutos federais de educação, ciência e tecnologia até 2014. As instituições podem reservar 20% dessas vagas à oferta de licenciaturas em química, física, matemática e biologia e também oferecerão conteúdos específicos da educação profissional, como formação de professores de mecânica, eletricidade e informática. Nesse caso, serão cem mil vagas — as outras 35 mil destinam-se ao Plano Nacional de Formação do Professor.

Todos os 38 institutos oferecerão cursos de licenciatura, missão estabelecida na Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Cinco estados — Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Acre e Rondônia —, além do Distrito Federal, não aderiram ao plano de formação, mas os 12 institutos federais ali localizados manterão a oferta. “A transformação em curso da educação brasileira passa necessariamente pela formação e qualificação dos docentes. A rede federal não tem se furtado a ampliar a oferta de vagas para licenciaturas”, afirma o reitor do instituto federal de Goiás, Paulo César Pereira, presidente do Conselho das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).

Anteriormente à obrigatoriedade, instituições públicas de educação profissional e tecnológica já ofereciam cursos de formação de professores, como o instituto do Maranhão, que atua na área desde 1987. Em 2000, o então Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) do Maranhão firmou projeto de cooperação com 42 municípios do estado para a formação de dois mil professores de matemática. A instituição também oferecia licenciatura em eletricidade, mecânica e construção civil. “Essa vocação para melhorar a educação básica é intrínseca à rede federal”, destaca o secretário de educação profissional e tecnológica do Ministério da Educação, Eliezer Pacheco.

Tradição — Também têm a história ligada à formação do professor os institutos do Rio de Janeiro, Fluminense e do Rio Grande do Norte. No primeiro, são oferecidas 360 vagas em matemática, física e química nos campi de Nilópolis, Duque de Caxias e Volta Redonda. No instituto Fluminense, são 280 vagas em biologia, física, química, geografia e matemática.

O instituto do Rio Grande do Norte teve a licenciatura em geografia classificada como a terceira melhor do país entre instituições públicas e particulares. O curso de formação em física obteve a sexta colocação. “Nosso trabalho na formação de professores é reconhecido pelos exames de qualidade feitos pelo MEC”, salienta o reitor Belchior Oliveira. A instituição forma mestres desde 2002 e oferece 120 vagas anuais.

Fonte: Portal MEC